Conhecendo Saint-Aubin: vinhos brancos da Borgonha com qualidade e bom custo-benefício

A Côte de Beaune é origem de muitos dos melhores vinhos brancos do mundo, elaborados a partir da Chardonnay em diversas denominações de origem da região. Nomes como Puligny-Montrachet, Meursault ou Corton-Charlemagne soam como música para quem aprecia vinhos brancos de alta qualidade.

Porém, existem diversas outras denominações de origem na região conhecidas pela qualidade de seus vinhos brancos que, em geral, são muito mais acessíveis do que os mencionados anteriormente. E uma delas é Saint-Aubin, que, embora produza também vinhos tintos, é mais conhecida pela qualidade de seus brancos.

Localização e uma peculiaridade

Saint-Aubin fica na parte sul da Côte de Beaune, a oeste de Puligny-Montrachet e Chassagne-Montrachet. Ao contrário da grande maioria das denominações de origem da área, tem limitada exposição direta ao vale do Saône. O vilarejo de Saint-Aubin em si fica em um vale perpendicular, de maior altitude e com diferentes exposições de vinhedos.

Além do vilarejo de Saint-Aubin, a área desta denominação de origem inclui também a aldeia de Gamay, que deu origem ao nome da uva que ainda é cultivada em algumas regiões da Borgonha, mas que ganha mais destaque no Beaujolais. Curiosamente, porém, a imensa maioria dos vinhedos da aldeia de Gamay é plantada com Chardonnay.

Área de vinhedos e produção

A área total delimitada de vinhedos é de 236,62 hectares, dos quais 156,46 hectares (66%) são classificados como Premier Cru. No entanto, ainda existe uma área significativa não plantada com as únicas duas uvas permitidas (Chardonnay e Pinot Noir). A área de vinhedos de uvas brancas atingia 137,6 hectares em 2018 (dos quais 102,55 ha de Premier Cru) e 30,99 hectares de uvas tintas (22,39 ha de Premier Cru). Deste modo, as uvas brancas correspondiam a 82% da área plantada.

Em termos de produção, a denominação Saint-Aubin produziu entre 2014 e 2018 uma média de 7.505 hectolitros de vinho, que correspondia a cerca de 4,6% do produzido na Côte de Beaune.  Deste número, cerca de 83% eram vinhos brancos, sobretudo aqueles classificados como Premier Cru, que equivaliam a 64% do total de vinhos elaborados nesta denominação de origem.

Geografia e sub-divisões

Por conta de sua geografia peculiar, é uma denominação de características distintas na comparação com outras da região. Com vinhedos situados entre 300 e 350 metros acima do nível do mar, a imensa maioria de seus vinhedos fica em encostas, o que implica em solos com elevada proporção de calcário e marl, com menor presença de argila. Além disso, seus vinhedos têm exposições distintas.

De forma geral, os vinhedos podem ser agregados em quatro grupos. Alguns do mais conhecidos, como os climats Premier Cru En Remilly, Les Murgers des Dents de Chien, Le Charmois e Sur Gamay, tem exposição sudeste e ficam próximos de Chassagne-Montrachet e Puligny-Montrachet. Uma segunda área, que também conta com muitos vinhedos Premier Cru (16 no total), fica logo acima do vilarejo de Saint-Aubin, com destaque para os vinhedos Les Frionnes, Les Castets, Sur le Sentier de Clou e Derriére Chez Edouard.

Já a área em torno da aldeia de Gamay, com diversas exposições e solos, concentra tanto vinhedos Premier Cru como Village. Por fim, a área a oeste na denominação, em posição mais profunda no vale, concentra a grande maioria dos vinhedos Village.

Denominação de origem e vinhedos

A denominação de origem foi criada em 1937 e, como indicado anteriormente, considera somente vinhos elaborados a partir de Chardonnay e Pinot Noir. No total, são trinta climats classificados como Premier Cru.

São eles: Derrière la Tour, En Créot, Les Champlots, Sur Gamay, La Chatenière, En Remilly, Les Murgers des Dents de Chien, Les Combes, Le Charmois, Le Village, Les Castets, Derrière chez Édouard, Le Puits, Sur le sentier du Clou, Les Frionnes, Sous Roche Dumay, Vignes Moingeon, Pitangeret, Les Perrières, Les Cortons, Bas de Vermarain à l’Est, Echaille, En la Ranché, En Montceau, En Vollon à l’Es, Es Champs, Le Bas de Gamay à l’Est, Les Combes au sud, Les Travers de Marinot e Marinde.

Vinhos e produtores

Por conta de suas características geográficas, não há um único estilo de vinhos em Saint-Aubin. As áreas mais próximas de Chassagne-Montrachet e Puligny-Montrachet costumam ganhar maior atenção, com vinhos brancos de alta qualidade, descritos por muitos como uma espécie de mix entre as duas regiões vizinhas. Já os tintos são considerados mais frutados, porém sem a rusticidade muitas vezes presente nos Chassagne tintos.

Os vinhos de Saint-Aubin, sobretudo os brancos, vem sendo por muito tempo classificados como de excelente relação custo-benefício, embora os preços tenham subido bastante nos últimos anos. A região não conta com um vinhedo Grand Cru, porém tem uma parcela elevada de Premiers Crus, vista como exagerada por alguns.   

Dentre os produtores baseados em Saint-Aubin, três chamam a atenção: Hubert Lamy, Marc Colin e Jean-Claude Bachelet. Porém, há também diversos produtores com sede em outras vilarejos com vinhedos ou uso de uvas da denominação Saint-Aubin, como De Montille, Guy Amiot, Pacalet, Domaine de Villaine, e Olivier Leflaive.

Fontes: Vins de Bourgogne; Wine Scholar Guild; The World Atlas of Wine, Hugh Johnson

Mapa: Vins de Bourgogne

Imagem: Torsade de Pointes, CC0, via Wikimedia Commons

O post Conhecendo Saint-Aubin: vinhos brancos da Borgonha com qualidade e bom custo-benefício apareceu primeiro em Wine Fun.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.