Uma cozinha sem saca-rolhas é apenas mais um cômodo da casa

Uma cozinha sem saca-rolhas é apenas mais um cômodo da casa. Com esta frase de Keith Floyd, conto uma das passagens que aconteceu comigo. Há algum tempo, recebi a indagação de uma leitora que vive e trabalha em Portugal. Eis que, ao desarrolhar uma garrafa de vinho, seu empregador achou feio ela não fazer o “ploc” ao retirar a rolha.

A dúvida era sobre ser ou não de bom tom, fazer aquele “ploc”, barulhinho característico da saída da rolha quando ela é retirada sem muito cuidado. Como já respondi via e-mail, peço a gentileza da compreensão para apenas citar seu pré-nome, Cris, a leitora que motivou esta postagem.

O saca-rolhas e seu papel

Ao abrirmos uma garrafa de vinho tranquilo (aquele vinho que não é espumante, nos seus mais variados tipos), se estivermos com um bom saca-rolhas como instrumento para tal, devemos abrir a garrafa cuidadosamente. Assim fazemos para preservarmos a integridade da rolha, e naturalmente com suavidade extrai-la.

Claro que podemos pensar nos saca-rolhas mais antigos, aqueles que continham a espiral e uma haste em “T”. Neles, era comum prender-se a garrafa entre as pernas para ajudar a exercer força para a retirada da rolha, algumas vezes um barulho devia haver.

Papagaio!

Hoje, porém, com os vários tipos de abridores, a tarefa é mais simples. Um exemplo é aquele denominado “papagaio”, pois seu formato, quando fechado, lembra o pássaro. Ele é o mais comum e facilmente encontrado, e isto não mais ocorre por acaso. Este saca-rolhas deve ter uma espiral com voltas helicoidais e nunca circulares, para preservar intacta a cortiça. A espiral deve também ter um comprimento em torno de 7 cm, pois não devemos introduzir a haste até ultrapassar a cortiça. Em grandes vinhos, há rolhas de 7 cm de comprimento. 

A peça da figura acima mostra o saca-rolhas papagaio, o mais simples, que não tem dois estágios Porém, o melhor é aquele que contenha estes estágios, pois reduz muito a intensidade de força a ser exercida. Um exemplo é o saca-rolhas da figura abaixo.

Este saca-rolhas deve ter também uma lâmina com serrinha para facilitar o corte do lacre; se a lâmina for de fio, esta logo ficará cega. Então vemos que o correto proceder facilita em muito o trabalho de abertura da garrafa, e nunca fazer barulho, já que o barulho mais adequado aos vinhos é o tilintar das taças nos brindes, e os sorrisos de satisfação que estes proporcionam.

Até o próximo brinde!

Álvaro Cézar Galvão conhecido como O Engenheiro Que Virou Vinho, me dedico a comentar, escrever, divulgar, dar palestras e ministrar cursos de vinhos, bebidas destiladas e a harmonização com a gastronomia. Assino dentre outras mídias o site Divino Guia www.divinoguia.com.br

Disclaimer: Os conteúdos publicados nesta coluna são da inteira responsabilidade do seu autor. O WineFun não se responsabiliza por esses conteúdos nem por ações que resultem dos mesmos ou comentários emitidos pelos leitores.

Fotos: Álvaro Cézar Galvão, arquivo pessoal

O post Uma cozinha sem saca-rolhas é apenas mais um cômodo da casa apareceu primeiro em Wine Fun.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.