Viajando no mundo do vinho: conheça a Rioja Alavesa

Falar de vinhos não faz sentido sem mencionar a Espanha, que foi o segundo maior produtor mundial em 2021. E quando se fala de Espanha, talvez a primeira região que vem à mente das pessoas seja a Rioja. Foi a primeira denominação de origem espanhola a atingir o nível DOCa e atualmente é a líder em exportação de vinhos produzidos dentro das normas de denominação de origem, com cerca de 42% do total espanhol.

Porém, a Rioja não é homogênea. A denominação de origem inclui vinhedos em três comunidades autônomas espanholas diferentes (La Rioja, País Basco e Navarra), com características distintas. Por conta disso, a denominação de origem pode ser dividida em três sub-regiões: Rioja Alta, Rioja Alavesa e Rioja Oriental, que era conhecida até 2018 como Rioja Baja. E o foco hoje fica na Rioja Alavesa.

Localização e geografia

Dentre as três sub-regiões da Rioja, a Rioja Alavesa é aquela que fica mais ao norte, situada entre a Sierra de Cantábria (que retém boa parte dos ventos frios vindos do norte) e o rio Ebro. Ela faz fronteira com Rioja Alta (que fica a sul e sudoeste) e a Rioja Oriental (leste). É a menor das três sub-regiões, com 13.266 hectares de vinhedos em 2020, o que correspondia a cerca de 20% do total da Rioja.

Sua área geográfica coincide com a parcela da Rioja que fica dentro do território do País Basco, mais especificamente na Província de Álava. Esta área se estende por 18 municípios distintos, com destaque para Laguardia (com cerca de 27% dos vinhedos), Oyón, Labastida, Lanciego e Elciego. Os demais são: Baños de Ebro, Barriobusto, Cripán, Elvillar de Álava, Labraza, Lapuebla de Labarca, Leza Moreda de Álava, Navaridas, Salinillas de Buradón, Samaniego, Villabuena de Álava e Yécora.

Vinhedos de qualidade

Apesar de ter a menor área de vinhedos dentre as três sub-regiões, a Rioja Alavesa tem um papel de destaque no que diz respeito aos vinhos de maior qualidade. Esta sub-região concentra 44% das áreas de vinhedos classificados como Viñedos Singulares, considerados superiores. É também a região que concentra a maior proporção de pequenos produtores: mesmo com apenas 20% da área, agrupa 43% dos vinícolas da Rioja.

Dentre as três sub-regiões é também aquela com maior proporção de vinhos elaborados para envelhecimento (90%, contra 80% na média da Rioja) e com menor porcentagem de vinhos produzidos por cooperativas (7%, contra 18% na média regional). Por conta destes fatores e, também, de questões políticas, diversas controvérsias surgiram no sentido de maior autonomia para a Rioja Alavesa. Ela incluíram, por exemplo, uma proposta (agora abandonada) de criação de uma denominação de origem independente.

Em termos de variedades, a Rioja Alavesa é dominada por uvas tintas, em especial a Tempranillo. Com quase 12 mil hectares plantados, ela corresponde a 90% da área de vinhedos. Dentre as uvas brancas, a Viura é dominante, embora corresponda a apenas 6% dos vinhedos totais.

Características

Porém, apesar de diversas diferenças, também existem muitos pontos em comum entre a Rioja Alavesa e o restante da região, sobretudo a Rioja Alta. Há grandes semelhanças em termos de clima, solo e estilo, e estas são as sub-regiões que carregam a reputação de produção dos melhores vinhos da Rioja.

Dentre as sub-regiões, a Rioja Alavesa é a mais próxima do Oceano Atlântico e, portanto, a mais influenciada por seus efeitos. Outras duas características geográficas também contribuem para a qualidade dos seus vinhos. Em geral, são os vinhedos de maior altitude da Rioja, variando entre 400 a 1.200 metros, com solos ricos em argila calcária e calcário. Esta combinação garante uvas de qualidade e vinhos de muita expressão e precisão.

História e produtores

Foi na Rioja Alavesa que surgiram algumas das vinícolas pioneiras da Rioja. A Marques de Riscal, até hoje sediada em Elciego, foi estabelecida no início da década de 1860 e abriu o caminho para a transformação da Rioja. Foi a primeira vinícola da região a adotar o modelo dos châteauxs do Bordeaux, integrando uma ampla área de vinhedos próprios com uma unidade de vinificação.

Em uma sub-região com menor participação de grandes produtores, outro destaque fica para a Bodegas Faustino, sediada em Oyón. Apesar destes produtores de maior porte, a Rioja Alavesa atualmente é mais conhecida por suas vinícolas de tamanho médio. Alguns exemplos são Remirez de Ganuza, Artadi, Palacios Remondo, Remelluri, Baigorri e Lanzaga. Recentemente tem crescido também a quantidade de produtores menores e artesanais, muitos deles participantes da ABRA (Asociación de Bodegas de Rioja Alavesa).

Quer conhecer?

A Rioja Alavesa faz parte do País Basco, mais especificamente no sul da província de Álava, ao lado de La Rioja. A capital da região é Laguardia, que fica a 45 quilômetros da cidade de Vitória-Gasteiz e a 18 quilômetros de Logroño. Os aeroportos internacionais de Vitória e Bilbao facilitam o acesso aéreo. Para quem prefere chegar de carro, a região tem excelente acesso a tanto a partir de Madri (autoestrada A-1, 362 quilômetros) como Barcelona (autoestrada A-68, 502 quilômetros).

Fontes: Asociación de Bodegas de Rioja Alavesa; Rioja Wine; Rutas Vino de España; The Wines of Spain, Julian Jeffs

Mapas: Rioja DOCa; ABRA

Imagem: Jun Lee via Unsplash

O post Viajando no mundo do vinho: conheça a Rioja Alavesa apareceu primeiro em Wine Fun.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.