Exportação de vinhos: vale a pena investir mais em quantidade ou qualidade?

Todo mundo sabe que o preço do vinho pode variar muito, dependendo da qualidade e percepção de mercado. E os dados referentes à exportação de vinhos em 2021 deixam isso muito claro. Por exemplo, a Espanha foi o país que exportou o maior volume de vinhos no ano passado, com o equivalente a mais de três bilhões de garrafas, quase 50% acima da França.

Porém, quando se discute valor exportado, o quadro muda completamente. Apesar de líder em termos de volume, as exportações espanholas de vinho fecharam 2021 em € 2,9 bilhões, o que assegurou ao país ibérico somente a terceira posição a nível mundial. Na comparação com o país líder, que arrecadou quase o quádruplo dos espanhóis, a diferença foi gritante.

França em destaque

Apesar de uma safra desastrosa, com a produção caindo cerca de 19% em relação a 2020, a França foi, com larga margem, o maior exportador de vinho em termos de valor no ano passado. O total exportado ultrapassou € 11,07 bilhões, mais do que a soma do segundo, a Itália (€ 7,06 bilhões), com o terceiro, a Espanha. Este valor representou um aumento de 26,8% frente a 2021, o mais elevado entre os dez maiores exportadores de vinho do mundo.

O segredo para o desempenho francês se deve a dois fatores. Apesar da menor produção, a França exportou mais em volume (+8%), enquanto o mercado doméstico voltou a cair. Porém, o que realmente fez a diferença para a França foi o preço de seus vinhos. Em 2021, o preço médio do vinho francês exportado aumentou 22,3%, uma forte recuperação em relação ao ano anterior, quando o impacto da pandemia foi mais sentido.

O preço médio equivalente para uma garrafa de 750 ml de vinho exportado em 2021 foi de € 5,70, contra € 4,66 no ano anterior. Na comparação com seus principais rivais, a França leva enorme vantagem. O equivalente por garrafa para o vinho italiano foi de € 2,39, enquanto o diferencial para a Espanha foi ainda maior. No caso espanhol, o equivalente para cada garrafa vendida foi de apenas € 0,94.

Maior valor agregado

Porém, não foi somente a percepção de qualidade que explica a enorme diferença de preços do vinho francês. Cerca de 35% do volume exportado foi de espumantes, que são mais caros, com destaque para Champagne. E o valor exportado pela França neste segmento cresceu cerca de 40% no ano passado. No caso de Itália e Espanha, a proporção de espumantes foi de 26% e 16%, respectivamente.

A França também vende muito menos vinho no atacado, medido como embalagens superiores a 10 litros. No caso francês, esta proporção foi de apenas 2% do volume, contra 4% na Itália e 17% na Espanha. O país da Península Ibérica, por outro lado, tem a proporção mais alta de vendas neste segmento dentre os principais exportadores europeus de vinho. Seus números se aproximam da proporção vista em países do Novo Mundo.

Os números deixam claro que, mais do que produzir quantidade, vale a pena investir em produtos mais diferenciados e que conseguem obter preços mais atrativos. E ninguém no mundo consegue fazer isso melhor que os franceses. Seus vinhos, na média, são os mais caros entre os principais produtores mundiais.  

Os 20 maiores produtores

Confira na ilustração abaixo os onze maiores exportadores de vinho por volume em 2020. Se você está usando seu celular ou tablet e quiser ampliar a visualização, toque e solte rapidamente cada um dos círculos. Caso queira ver os dados completos de cada país, basta tocar no círculo correspondente e manter até que o pop-up com dados apareça. Se estiver usando PC, basta passar o cursor do mouse.

O post Exportação de vinhos: vale a pena investir mais em quantidade ou qualidade? apareceu primeiro em Wine Fun.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.